Notícias

Guarujá: Alunos de Direito constroem de forma lúdica as "Relações Internacionais de Prevenção dos Direitos Humanos"

Data: 28/09/2018 | 0 Comentário


Compartilhe

          

 

Com metodologia ativa e participativa a professora e mestra Dra. Catia Bethonico levou seus alunos do 8º semestre de Direito a construir relações internacionais de preservação dos Direitos Humanos. Criativa, a Professora Cátia ofertou papel, cola, palitos de sorvete e cartolina aos alunos e solicitou que criassem uma torre, a mais alta possível, mas com segurança. Todos os alunos deveriam participar de alguma forma.

Houve a participação de muitos ativamente, inclusive daqueles que “capitanearam” a proposta, outros que colocaram a “mão na massa”, outros que, mais timidamente somente “observaram” e concordaram sem propor alterações e outros que só propunham “alterações” naquilo que já estava sendo construído.

A montagem da maquete demandou tempo, muita discussão, reclamações, interferências e organização por parte da professora. Durante a construção a docente foi ofertando conceitos internacionais em Direitos Humanos, Princípios Basilares, Organizações Mundiais e suas competências e buscando que a torre refletisse as atividades dos órgãos centrais das relações internacionais em DH.

Construída a torre, não com a satisfação de todos, passou-se a aula formal. Demonstrado que DH é a preservação da humanidade, fundamento da vida e da sociedade. Pediu-se que um dos alunos retira-se o “apoio” que havia dado, retirando alguns dos palitos que outros haviam colocado. Obviamente que a torre balançou. Sucessivamente foi demonstrado que a participação de muitos pode ser excluída pela visão individualista de alguns. Demonstrou-se que entre organismos internacionais, construir um direito é exatamente igual ao que foi realizado em sala de aula, necessário consenso, participação, atuação, organização e construção. Que as relações diplomáticas internacionais têm papel ativo na mesma proporção em que se envolvem materialmente com a questão, que países que “capitaneiam” não conseguem manter sua posição sem quem observe de forma crítica, mesmo que timidamente.

E assim também são as relações interpessoais e de respeito à diversidade. Enfim, aula muito criativa e inesquecível, quebrou o paradigma do receber conhecimentos para o de construir conhecimentos.

A FAGU parabeniza a turma e a docente Cátia Bethonico.




Deixe seu comentário
Seu endereço de e-mail não será publicado.




    Seja o primeiro a comentar!