Notícias

Santa Luzia: Docente e alunos de Fisioterapia iniciam projeto científico voltado à reabilitação de crianças com paralisia cerebral

Data: 19/03/2019 | 0 Comentário


Compartilhe

          

 

Ao lado do ensino e das atividades de extensão na formação de estudantes, a pesquisa é um dos meios de acesso ao conhecimento que mais desenvolve a inteligência do ser humano, já que ela pressupõe um conjunto de ações que são verdadeiros exercícios intelectuais: a reflexão, a leitura, a interpretação e a compreensão de textos/imagens, a argumentação, dentre outras. As atividades e etapas de uma pesquisa, portanto, compreendem todos esses e outros exercícios intelectuais e sempre contribuem para a evolução do conhecimento da espécie humana, quer endossando ou se contrapondo a uma pesquisa já existente, quer na elaboração de uma pesquisa inédita ou sobre tema pouco estudado.

O projeto de pesquisa “Efeito potencial da imagética motora no espelho na reabilitação de crianças com Paralisia Cerebral” iniciou suas atividades em outubro de 2018 sob coordenação da professora Deisiane Souto e conta com a participação de 5 alunos do curso de Fisioterapia da Instituição. A paralisia cerebral é uma das causas mais comuns de incapacidade motora na infância, acometendo 7/1000 crianças nascidas vivas. Mesmo envolvidas em um programa de reabilitação completo, envolvendo fisioterapia, uso de órteses, toxina botulínica, as crianças tendem a permanecer com algum grau de limitação funcional. Dessa forma, terapias inovadoras que visem potencializar os efeitos da reabilitação convencional ainda são necessárias.

Nesse contexto surgiu o presente projeto que tem por objetivo testar uma os benefícios de uma nova abordagem terapêutica (Terapia espelho por Imagética motora) na potencialização da recuperação funcional de crianças com paralisia cerebral. Para tal, foi realizada uma parceria com a Associação de Pais e Amigos dos excepcionais – APAE de Santa Luzia, MG. Atualmente os alunos já produziram o espelho que será usado na intervenção e iniciaram o tratamento das crianças.    

 




Deixe seu comentário
Seu endereço de e-mail não será publicado.




    Seja o primeiro a comentar!